Ir para conteúdo
FCC

15h33

Com instrumentos de época, música antiga tem espaço em concertos e cursos

O que é música antiga? Teoricamente, um disco lançado na semana passada atende a este conceito. Mas durante a 36ª edição da Oficina de Música de Curitiba, que acontece entre os dias 16 a 27 de janeiro, o termo é exemplificado de forma didática, e em claro e bom som, nos 11 cursos e seis concertos dedicados ao gênero.

“É uma música historicamente informada, que preza pela veracidade da execução, com instrumentos de época e partituras fidedignas”, explica o violinista Rodolfo Richter, diretor artístico da área de música antiga da Oficina. Em termos históricos, o gênero compreende a música produzida a partir do século XVI, com ênfase nos períodos barroco, renascentista e clássico – a música erudita é designada como tal a partir do século XIX.

Com instrumentos de época e repertório intocado pelo tempo, os concertos se tornam eventos únicos, e quase sempre memoráveis. “Pense numa pintura de 200 anos atrás. É como se a música antiga retirasse toda a poeira e sujeira acumuladas e lhe devolvesse as cores originais”, compara Richter.

E como acontece com as oficinas de música erudita, a procura pelos cursos de música antiga segue numa crescente, ano a ano. Alunos de diversos estados do Brasil e de outros países demonstram interesse pela área. Um dos motivos é que, nestes moldes, a Oficina de Música de Curitiba é a única do país a oferecer este tipo de imersão específica, com professores e instrumentistas renomados.

“O interesse existe também porque não tratamos somente da questão técnica do instrumento. É uma aula de história, com rica contextualização, o que expande o universo musical do aluno e proporciona certa libertação”, diz Richter.

Janete Andrade, diretora da Oficina de Música de Curitiba, reforça a ligação da cidade com o gênero. “A música antiga está presente desde a primeira edição da Oficina, e diversos grupos, como a Camerata Antiqua de Curitiba, tem neste tipo de música suas origens”.

Imperdíveis
Depois de todas essas credenciais, Rodolfo Richter cita alguns concertos imperdíveis durante a programação da 36ª Oficina de Música. “Diria todos, mas sugiro não deixar de fora da agenda o raro recital de órgão do britânico James Johnstone na Igreja Bom Jesus (domingo, 20/1, às 12h30); a execução de obras de Biber, Haydn, Webern e Berg com instrumentos de época na Capela Santa Maria (domingo, 20, às 20h); e o recital do contratenor britânico Michael Chance, uma das estrelas do canto barroco na Capela Santa Maria (segunda-feira, 21, às 20h).”

 

Autor: Assessoria de Imprensa
Fonte: Prefeitura de Curitiba

Fale com a comunicação

Veja Também

Outras Notícias

Oficina de Música chega ao fim com público de 50 mil pessoas em 250 eventos

Continue lendo

Coro de 80 crianças do MusicaR participa do encerramento da Oficina

Continue lendo

Famílias se encantam com ópera ao verem filhos no palco

Continue lendo

Homenagem a Waltel Branco e mais 14 shows em bares da cidade

Continue lendo

Despedida da Oficina de Música tem de rock no parque até ópera em teatro

Continue lendo