Ir para conteúdo
FCC

14h16

Nicolas Krassik vai misturar samba, forró e jazz

O público curitibano terá a oportunidade de assistir, nesta quinta-feira (24/1), um dos maiores músicos de jazz do mundo. O violinista francês Nicolas Krassik, que se apresentará no Teatro do Paiol, às 19h, promete um show vibrante para ouvir e também dançar, pois além de jazz tem choro, forró e samba.

Krassik já era um músico e tanto quando veio ao Brasil pela primeira vez, em 2001. Passou o carnaval no Rio de Janeiro, e se deixou levar para sempre pelos ziriguiduns, choros e sambas que ouviu no bairro boêmio da Lapa.

Instrumentista formado pelo Conservatório de Nacional de Música da França e aluno egresso de uma das melhores escolas de jazz do país, Nicolas Krassik, 49 anos, é um dos professores debutantes da 36ª Oficina de Música de Curitiba, que segue até domingo (27/1).

“Já era apaixonado pela música brasileira que ouvia na França. A melhor coisa que fiz foi conhecer a Lapa e todo seu forte movimento instrumental”, diz Krassik, com sotaque carioca de fazer inveja à Garota de Ipanema.

Não demorou para o francês se inserir na cena do choro e do jazz urbano carioca, na companhia privilegiada de Yamandú Costa, Henrique Cazes, Eduardo Neves e Carlos Malta. “Quando vi, estava dando canja ao lado destes bambas”, lembra.

Nicolas Krassik radicou-se no Brasil ainda em 2001, e hoje mora em São Paulo. Desde então, já tocou e gravou com Beth Carvalho, Marisa Monte e João Bosco. Para homenagear a turma que lhe abriu as portas, lançou em 2004 o disco “Na Lapa”, com obras de Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Dominguinhos, Gilberto Gil e Luiz Gonzaga.

Em 2009, seu disco “Odilê, Odilá”, em que interpreta obras de João Bosco com arranjos do pianista e acordeonista Marcelo Caldi, foi incluído na relação “Os Melhores Discos do Ano” do jornal “O Globo”. Atualmente a música nordestina é seu mais novo interesse. Krassik criou o projeto “Cordestino”, em que se dedica ao forró e ao baião, sempre com o violino em destaque.

Enriquecedor

Participar da Oficina de Música, mesmo para um músico de currículo indiscutível, é uma oportunidade enriquecedora. “Serão duas semanas de encontros intensos, de trocas musicais com professores e alunos. Estou muito feliz por isso, e por saber que minha oficina está com as inscrições esgotadas”, diz o músico, que mesmo carregando a tradição francesa dos violinistas de jazz, irá ministrar o curso de Cordas Populares (violino, viola e violoncelo), reforçando o caráter eclético da Oficina de Música de Curitiba.

Com sólida formação erudita num continente historicamente musical como a Europa, Nicolas Krassik destaca a relevância e o ineditismo da Oficina de Música de Curitiba. “Por lá existem cursos e oficinas no meio erudito, geralmente no verão. Mas não assim, abrangente e musicalmente democrático”.

A programação da 36ª Oficina de Música de Curitiba continua até domingo (27/1) com muita música pela cidade. Os eventos podem ser consultados diretamente no site (www.oficinademusica.org.br). Também é possível receber informações da programação pelo WhatsApp, cadastrando o número 41 9876-2903 (no Whats não precisa do 9 a mais) ou mande um “oi” pelo link https://goo.gl/ucboic para ser automaticamente cadastrado.

Autor: Assessoria de Imprensa
Fonte: Prefeitura de Curitiba

Fale com a comunicação

Veja Também

Outras Notícias

Oficina de Música chega ao fim com público de 50 mil pessoas em 250 eventos

Continue lendo

Coro de 80 crianças do MusicaR participa do encerramento da Oficina

Continue lendo

Famílias se encantam com ópera ao verem filhos no palco

Continue lendo

Homenagem a Waltel Branco e mais 14 shows em bares da cidade

Continue lendo

Despedida da Oficina de Música tem de rock no parque até ópera em teatro

Continue lendo