Ir para conteúdo
FCC

09h57

Oficina de Música chega ao fim com público de 50 mil pessoas em 250 eventos

Nos 12 dias de programação, a 36ª Oficina de Música de Curitiba levou a 14 espaços culturais da cidade aproximadamente 50 mil pessoas, que assistiram aos concertos e shows. Nesta edição, foram 250 eventos, 60 deles gratuitos. 

De 16 a 27 de janeiro, ritmos variados embalaram a cidade, da música erudita à tecnológica instrumental, do jazz ao forró, dos ritmos do Sul ao Nordeste, a MPB de muitos sotaques e histórias. A edição teve homenagens a Waltel Branco (1929-2018), maestro e arranjador paranaense reconhecido internacionalmente. “Uma figura esplêndida da nossa história, da história do mundo, do universo”, lembrou o diretor da Orquestra à Base de Sopro, Sérgio Albach.

Em cada canto da cidade, uma apresentação. “Comemoramos a acolhida que a cidade deu aos 2.000 alunos, 80 deles estrangeiros, aos 110 professores e o sucesso de público, em todos os espetáculos apresentados ao ar livre, nos parques, nos teatros, nas igrejas, que encerrou com a ópera de Bizet, onde as crianças de Sevilha foram vividas por 80 curitibinhas”, comemorou o prefeito Rafael Greca.

Inclusão

Pela primeira vez, pessoas com deficiências visual e física tiveram a oportunidade de aprender e mostrar o talento em três oportunidades. Na Oficina de Percussão Especial, tiveram aula com o músico Luciano Candemil, percussionista e compositor que trabalha como professor na Educação Especial voltada para o desenvolvimento rítmico-corporal. E também nos cursos Raízes da Música: Elementos do Som e da Apreciação Musical para Pessoas com Deficiência Visual e Fundamentos do Sistema Braille e da Musicografia Braille, ambos com o professor Luiz Amorim.

“Agradeço muito, por mim e pelos alunos, a acolhida. Essas oficinas fizeram de Curitiba uma cidade mais inclusiva, mais acessível, um lugar mais acolhedor para todos. Curitiba foi exemplo”, disse Amorim.

Missão cumprida

A Oficina de Música chegou ao fim com sucesso, garante o presidente do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (Icac), Marino Galvão. “Concluímos nosso objetivo, chegamos aonde queríamos chegar. O resultado disso é o que vimos todos os dias: casas cheias, os espaços muito concorridos, a presença do público em todos os tipos de eventos, isso é muito gratificante”, comemorou Marino.

Agora é pensar em 2020, disse o diretor da Oficina de Música Popular Brasileira e de Música Instrumental e Tecnologia, João Egashira. “A gente não para. Já temos pensado em muitos professores, músicos, compositores. Uma Oficina desse tamanho se realiza através de um extenso trabalho de pesquisa e parceria”, contou Egashira.

A equipe da Oficina de Música foi coordenada por Janete Andrade. “A Oficina é maravilhosa, é o esforço de muita gente envolvida. Quando você chega ao final, vê olhar de esperança em cada um desses meninos que estiveram nos palcos. Saber que você contribui e orientou para que isso acontecesse, faz tudo valer a pena”, disse Janete.

A 36ª oficina de Música de Curitiba, organizada pela Prefeitura de Curitiba, teve o apoio cultural da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), Universidade Federal do Paraná (UFPR), Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap), do Centro Cultural Teatro Guaíra e da Família Farinha. Foi patrocinada pela Sanepar, Copel Telecom e Caixa Econômica Federa, realizada pela Prefeitura de Curitiba, FCC e Icac e beneficiada pelas leis de incentivo à cultura do governo federal e do Estado do Paraná.

Autor: Assessoria de Imprensa
Fonte: Prefeitura de Curitiba

Fale com a comunicação

Veja Também

Outras Notícias

Oficina de Música chega ao fim com público de 50 mil pessoas em 250 eventos

Continue lendo

Coro de 80 crianças do MusicaR participa do encerramento da Oficina

Continue lendo

Famílias se encantam com ópera ao verem filhos no palco

Continue lendo

Homenagem a Waltel Branco e mais 14 shows em bares da cidade

Continue lendo

Despedida da Oficina de Música tem de rock no parque até ópera em teatro

Continue lendo