Ir para conteúdo
FCC

16h40

Vereadores conhecem modelo de gestão da 35ª Oficina de Música

O presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Marcelo Cattani, e o diretor de ação cultural, José Roberto Lanza, apresentaram nesta quarta-feira (7/2), na Câmara de Vereadores, o modelo de gestão adotado na 35ª Oficina de Música de Curitiba, que começou em 27 de janeiro e termina nesta quinta-feira (8/2).

Os vereadores assistiram a um filme institucional sobre as atividades promovidas até o momento pela oficina. A programação ofereceu 96 cursos e cerca de 170 eventos - concertos em teatros e parques, palestras, workshops.

A apresentação contou ainda com a presença do presidente do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (Icac), Marino Galvão, e de Janete de Andrade, coordenadora de música do órgão e da Fundação Cultural. O Icac e a Fundação Cultural são os responsáveis pela organização direta da 35ª Oficina de Música de Curitiba.

Apoio legal

Além da parte conceitual do evento, Cattani destacou a importância do apoio do prefeito Rafael Greca para o desenvolvimento do projeto e o amparo legal dos vereadores na aprovação do Plano de Recuperação de Curitiba. O plano deu sustentação financeira e econômica para o município retomar a oficina, que não foi realizada em 2017, e vários outros projetos vinculados à área cultural.

Segundo Cattani, havia um impacto (financeiro) muito grande no começo de 2017, com um grave desequilíbrio orçamentário. “Herdamos uma dívida expressiva de mais de R$ 2 bilhões, e por isso, houve um entendimento para a gente fazer uma reprogramação de várias atividades e a administração municipal fez isso de forma prudente”, destacou. “Mas lamentamos (o cancelamento da Oficina da Música em 2017), porque convivemos com a comunidade curitibana que faz a música, brasileira, e isso repercutiu de alguma maneira”, frisou.

“Em nome do prefeito Rafael Greca venho fazer um agradecimento especial aos vereadores que apoiaram nosso Plano de Recuperação de Curitiba, porque justamente a cultura é um dos braços mais frágeis nessa nossa estrutura orçamentária, com parcos recursos para fazer e atender tão bem todas as nossas dez regionais”, disse.

No calendário

Cattani disse ainda que, com a determinação da equipe da Fundação e apoio incondicional do prefeito, foi possível não só retomar, mas também recolocar a Oficina de Música no calendário de eventos do município, e buscar um conjunto de patrocinadores.

Ele anotou ainda que o Plano de Recuperação de Curitiba vai permitir, em 2018, retomar as atividades do Fundo Municipal de Cultura. “Além disso, em maio, teremos a entrega do Cine Passeio, um complexo de cinemas de rua, também uma antiga reivindicação, recuperando o entorno da Rua Riachuelo com a Carlos Cavalcanti, no Centro", afirmou. "Então, a Oficina de  Música acaba trazendo mais alegria porque se fundiu com o pré-carnaval e desemboca no carnaval, onde a gente tem uma programação de bairro e de avenida bem estruturada".

Cattani destacou o esforço do município para preservar a tradição da festa de carnaval na cidade. “Estamos fazendo um esforço grande com os blocos, com as escolas, para manter essa tradição em um bom nível.”

Níveis culturais

Ainda quanto à Oficina de Música de Curitiba, o diretor de ação cultural, José Roberto Lanza, ressaltou o aspecto conceitual do evento e a importância para a economia da cidade.

“Existem dois níveis que envolvem a Oficina de Música. Um deles por meio da importância da cultura e da arte para a economia da cidade, e o outro quanto ao aspecto intangível ou subjetivo da cultura”, disse.

Sobre a economia, Lanza disse que o evento causa um importante impacto no desenvolvimento da cidade. “A gente gera um volume grande de empregos, envolve vários fornecedores, e, por consequência, a cidade tem de volta o investimento que foi feito na ação.”

Intangível

O segundo nível, de acordo com Lanza, se refere à subjetividade do evento. “A arte e a cultura têm a função estratégica de entrar em níveis do intangível, sem os quais a vida não teria sentido”, disse.

E completou: “e essa dimensão, felizmente, a gente não consegue materializar em números.”

Autor: Assessoria de Imprensa
Fonte: Fundação Cultural de Curitiba

Fale com a comunicação

Veja Também

Outras Notícias

Oficina de Música 2019 já tem data confirmada

Continue lendo

PUC PR se consolida como sede da Oficina de Música de Curitiba

Continue lendo

Oficina de Música de Curitiba faz história em Curitiba

Continue lendo

Apresentações da Oficina de Música foram vistas por 50 mil pessoas

Continue lendo

Curitiba canta parabéns pelos 80 anos do sambista Martinho da Vila

Continue lendo